Ingra, uma baiana nascida em Salvador em 1966, estreou na televisão em 1989, numa pequena participação na novela Tieta, da Rede Globo.

Mas foi somente na extinta Rede Manchete que ela conheceu o estrelato, nas novelas Pantanal (1990) e A História de Ana Raio e Zé Trovão (1990). Depois voltou a trabalhar na Globo (A Indomada, em 1997, e O Clone, em 2001) e na Record (Louca Paixão, em 1999, e Essas Mulheres, em 2005). Um dos seus melhores trabalhos, entretanto, viria somente décadas depois, com Dois Córregos, de 1999, um desempenho premiado nos festivais de Cuiabá e de Santa Maria da Feira, em Portugal.

Apesar de ter ficado anos radicada no Sul do Brasil, durante 10 anos, somente em 2007 participou do seu primeiro longa-metragem produzido na região: Valsa para Bruno Stein (2007), de Paulo Nascimento. E foi este filme, que rendeu a Ingra seu prêmio mais importante: o cobiçado kikito de Melhor Atriz no Festival de Cinema de Gramado, um dos mais importantes do país.

Perfil no Papo de Cinema