A Mostra Goyaz realiza exibições de filmes realizados por goianos na 8ª edição do Festcine Goiânia, no dia 14 de setembro de 2017, no Centro Municipal de Goiânia Ouro que fica no Centro de Goiânia, próximo ao Teatro Goiânia. O objetivo da mostra dentro da programação do festival é como forma de reconhecimento e espaço para divulgação do cinema feito em Goiás. Além disso, a sessão tem o motivo de mostrar lugares e reflexões desconhecidas pela sociedade.

O evento apresenta documentários na programação, por exemplo, o curta-metragem Serra Dourada que conta as diversas histórias as quais aconteceram na própria Serra Dourada, localizada numa região a qual começou na área urbana no período colonial que atualmente fica entre os municípios de Mossâmedes, Cidade de Goiás e Buriti Alegre. O filme foi produzido durante o Trabalho de Conclusão de Curso por Paulo Ruan Decaris e Maria Ritha, dois amigos do curso de jornalismo da PUC Goiás.

A idéia surgiu quando um dos amigos passava na Cidade de Goiás em uma viagem do mês de julho, em 2014. Paulo disse que não foi fácil realizar o trabalho pela falta de bibliografia especifica da temática, assim, ele ressalta que o curta-metragem e o trabalho como um todo são considerados inéditos. “Este filme vai além de mostrar a flora e fauna, mas é importante para a construção da história de Goiás e do povo goiano”, afirma Maria Ritha.

A Serra Dourada tem a extensão de 35 mil hectares, e é considerada por biólogos e geólogos como um habitat rico em espécies raras de vegetação e relevo. Uma das espécies em destaque na região é a árvore Pau-Papel, presente somente na Serra Dourada e na Serra dos Pirineus, em Pirenópolis. A região foi um dos primeiros pontos de extração de minérios durante o período colonial no século XVIII. Sendo parte da colonização do Estado de Goiás, os resultados dessa ocupação foram às construções de arraiais e aldeamentos na Serra Dourada. De acordo com historiadores, nas expedições de 1722 e 1726 os bandeirantes dirigiram-se para a Serra Dourada atraída pelo brilho de seus paredões pensando que o reflexo era de ouro e prata.

Já, outro filme que exibi na Mostra Goyaz é o Mergulhando. O curta-metragem produzido por Janayna Medeiros, Patrícia Guedes e Maria Ritha para também Trabalho de Conclusão de Curso no curso História e Narrativas Audiovisuais, Universidade Federal de Goiás. O documentário mostra para o público a rotina de uma cidade, como Goiânia. Diante disso, o curta-metragem produzido também na universidade aborde aspectos que não são percebidos pela maioria da população e até mesmo desprezados da sociedade.
“O filme era mostrar a cidade com um quintal de pessoas que estavam sempre por ali nas ruas, dia e noite. As pichações, os grafites são formas de expressões dessas pessoas e não deixamos de fora, já que são os gritos, não somente, desses transeuntes, mas da cidade inteira por si”, afirma uma das diretoras do filme.